Professor de Harvard: "Nenhuma habilidade específica te deixará à frente no futuro" - e sim a maneira generalista de pensar" - Blog Lifelong Workers | Ressignificando o trabalho, a renda e a vida ao longo dela.

Professor de Harvard: “Nenhuma habilidade específica te deixará à frente no futuro” – e sim a maneira generalista de pensar”

Disseram, para muitos de nós, que quanto mais nos especializássemos, maior seria a nossa credibilidade e mais rápido o crescimento no emprego e salário. A alternativa de se ter uma mente aberta geralmente não é levada a sério, como se isso não agregasse valor.

Mas o futuro pode ser muito diferente: a amplitude da perspectiva e a capacidade de conectar os pontos triviais (o que os generalistas dominam) provavelmente serão tão importantes quanto a máxima especialização e a capacidade de ser bem pontual (o que os especialistas dominam).

O rápido avanço da tecnologia, combinado com o aumento da incerteza, está tornando a lógica de carreira, tão importante no passado, contraproducente daqui para frente. Para ser franco, o mundo mudou, mas nossa filosofia sobre o desenvolvimento de habilidades, não. 

A dinâmica complexa de hoje exige a capacidade de se desenvolver em situações ambíguas e mal definidas, um contexto que gera ansiedade para a maioria, uma vez que sempre estivemos em um lugar mais seguro ao generalizarmos.

Basta pensar em algumas das palavras da moda que caracterizaram as consultorias empresariais nos últimos 40 a 50 anos: competência core, habilidades únicas, profundo conhecimento e experiência. Para muitos de nós, a chave do sucesso foi desenvolver uma especialidade que nos permitiu subir a escada profissional.

Não bastava ser médico, era preciso se especializar ainda mais, talvez em cardiologia. Porém, também não bastava ser cardiologista, era preciso mais uma especialização, talvez como cirurgião cardíaco. Isso acontecia em quase todas as profissões, não apenas na medicina.

A mensagem era clara: concentre-se em desenvolver uma especialidade e você subirá na hierarquia e ganhará mais dinheiro. A abordagem funcionou. Muitos dos líderes de hoje cresceram se especializando.

O futuro pertence aos generalistas

Mas, como a típica frase tão famosa afirma, o desempenho passado não é garantia de resultados futuros. É hora de repensar nosso caso de amor com profundidade. O pêndulo entre a profundidade e a largura oscilou muito em favor da profundidade. 

Há um ditado muito citado que “para um homem com um martelo, tudo se parece com pregos”. Mas e se aquele homem tivesse um martelo, uma chave de fenda e uma chave inglesa? Ele ou ela poderia verificar se a parte superior plana tinha uma fenda estreita, sugerindo o uso de uma chave de fenda? Ou talvez considere o formato do topo plano. Círculo? Hexágono? Uma chave inglesa poderia ser uma ferramenta mais eficaz? E, finalmente, a simples adição dessas ferramentas pode encorajar uma melhor compreensão de um problema.

Isso não quer dizer que conhecimentos profundos sejam inúteis. Au contraire. Carregar um martelo não é um problema. Acontece que nosso mundo está mudando tão rapidamente que aqueles com mais ferramentas em sua posse irão navegar melhor na incerteza. Para fazer isso no mundo de hoje, é importante ser ágil e flexível.

O que significa ser um generalista

Como se faz isso? Para começar, é importante aumentar o zoom e prestar mais atenção ao contexto em que você está tomando decisões.

Leia o jornal inteiro, não apenas a seção sobre sua indústria. Seu foco principal é o petróleo e o gás? Estude a dinâmica que afeta o setor varejista. Você é um profissional de finanças? Por que não ler um livro sobre marketing? Pense em algo maior e mais amplo do que você tem feito tradicionalmente.

Outra estratégia é pensar em como acontecimentos aparentemente não relacionados podem impactar uns aos outros, algo que os pensadores sistêmicos fazem naturalmente. Estudar as interconexões entre as indústrias e imaginar como as mudanças em um setor podem disruptar as operações em outro.

Como os generalistas têm um conjunto de ferramentas a serem utilizadas, eles são capazes de ajustar seu curso de ação à medida que uma situação evolui. Pense na rapidez em que o mundo mudou com o desenvolvimento da Internet e das tecnologias de dados sem fio. Jeff Bezos não era um especialista em varejo que enfrentou seus concorrentes e venceu. Ele era relativamente novo no varejo, mas foi capaz de se adaptar rapidamente e aproveitar uma oportunidade gigantesca.

Carreira de sucesso para os generalistas

Muitas empresas voltadas para o futuro buscam experiência multi-funcional ao contratar. Isto é essencial para grandes organizações como o Google, por exemplo, onde os funcionários saltam de equipe em equipe e de cargo em cargo.

De fato, Lisa Stern Hayes, uma das principais recrutadoras do Google, disse em um podcast que a empresa valoriza os solucionadores de problemas que têm uma “capacidade cognitiva geral” mais do que conhecimento relacionado a uma função específica. 

“Pense na rapidez com que o Google evolui”, disse ela. “Se acabamos de contratar alguém para fazer um trabalho específico, mas nossa empresa passa por mudanças, precisamos ter certeza de que a pessoa vai encontrar algo para fazer no Google. Isso culmina em contratarmos generalistas inteligentes”.

Se você é relativamente novo no mercado de trabalho, meu conselho é que administre sua carreira para ter diversidade de experiências geográficas e funcionais. As capacidades analíticas que você desenvolver (por exemplo, habilidades estatísticas básicas e raciocínio crítico) no processo irá fazer você se sair melhor em relação àqueles que estão mais concentrados em habilidades específicas da área.

A única certeza sobre o futuro é que ele será incerto. O rápido avanço da inteligência artificial e a inovação tecnológica têm “commoditizado” a informação. A habilidade de especificar está perdendo valor. A habilidade chave do futuro, bem, não é bem uma habilidade; é uma abordagem, uma filosofia e uma maneira de pensar – e é fundamental que você a adote o mais rápido que puder.

Vikram Mansharamani , PhD, é professor da Universidade de Harvard e autor do novo livro Think for Yourself: Restoring Common Sense in an Age of Experts and Artificial Intelligence (HBR Press, 2020). Siga-o no twitter @mansharamani.

*Tradução livre pela equipe da Lifelong Workers

Artigo original:

https://www.cnbc.com/2020/06/15/harvard-yale-researcher-future-success-is-not-a-specific-skill-its-a-type-of-thinking.html

Nos siga no LinkedIN e fique por dentro de nossa agenda de webinários gratuitos e tantos outros conteúdos bacanas que dividimos por lá em torno da ressignificação do trabalho, da renda e de nossa vida – longa! 

***          ***          ***

Achou este conteúdo útil para alguém que conhece? Uma simples ação pode mudar positivamente o dia de alguém. Compartilhe ou marque esta(s) pessoa(s).

#juntossomosmelhores

***          ***          ***

Leia também:

Quer ou sente que será inevitável mudar, mais sente um frio na barriga só de pensar em toda a jornada que está por vir? Leia + em Mudança profissional e o seu protagonismo nisso

Em meio à pandemia, trabalhadores pautados em uma definição de vida por conta de seus empregos estão se questionando para que serve tudo isso. Leia + em Seria o fim da produtividade?

Falta de tempo virou a grande vilã do século 21. A produtividade disputa também este trono. E vencê-las parece que se torna a competência mais indispensável do século. Leia + em Competência indispensável: Como ter mais tempo em uma sociedade sem tempo?

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

1 Comentário

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.