Infelicidade no trabalho e como mudar de vida: comece por si

A infelicidade no trabalho não é algo incomum. No Brasil, cerca de 9 entre 10 pessoas se dizem infelizes em sua profissão. Os motivos apontados são a falta de valorização e reconhecimento, vontade de fazer algo diferente, baixos salários ou falta de propósito no que é feito.

Além disso, a pandemia fez com que muitos profissionais adaptassem seu trabalho para o home office, mas a falta de preparo, organização e contato social, além das incertezas geradas, estão causando estresse e ansiedade nos trabalhadores.

Por isso, a melhor maneira de mudar de vida e se tornar um profissional livre é fazendo alterações internas e ressignificando propósitos. A felicidade não precisa ser um fim, mas o meio para alcançar a realização pessoal. Para entender melhor o assunto, comece lendo sobre o conceito de Felicidade Interna Bruta (FIB).

O que é a Felicidade Interna Bruta (FIB)?

A Felicidade Interna Bruta (FIB) é um novo indicador utilizado pela Organização das Nações Unidas (ONU) como forma complementar de medir o desenvolvimento de um país. Tradicionalmente, o que mede isso é o Produto Interno Bruto (PIB).

O conceito surgiu na década de 1970, no Butão — pequeno país asiático situado entre a Índia e a China —, quando o rei decidiu criar um novo índice que mensurava a prosperidade nacional não apenas pelos aspectos de produção e consumo, mas também pelo bem-estar da população, grau de satisfação, qualidade de governança, bem-estar ambiental e outros aspectos psicológicos e culturais. 

Esse conceito prega que a riqueza material não é sinônimo de felicidade. Por isso, há nações ricas, produtivas e financeiramente estáveis, mas que não têm uma população feliz. Assim, a FIB é uma nova metodologia a fim de mensurar o sucesso e o progresso de um país.

No ranking de Felicidade Interna Bruta de 2019, o Brasil ocupava a 32ª colocação entre os 156 países. Para medir o nível de felicidade, o relatório considera várias medidas subjetivas, como apoio social, vida saudável, expectativa de vida, liberdade, ausência de corrupção e generosidade.

A conclusão final do relatório é que a infelicidade aumentou nos países de todo o mundo, e a desconfiança em líderes e o aumento do uso das redes sociais são alguns dos motivos apontados. Esses aspectos somados a outros fatores aumentam a infelicidade de modo geral e a insatisfação no trabalho.

Quais são os impactos da insatisfação no trabalho?

Não é possível separar a insatisfação no trabalho de todos os outros aspectos sociais. Seguindo os próprios critérios do FIB, a felicidade tem relação direta com todas as áreas da vida, e o seu emprego é uma delas.

Essa situação é prejudicial tanto para a empresa quanto para o colaborador. No caso do negócio, um colaborador infeliz significa menor produtividade, pouca motivação e muita reclamação.

É importante ressaltar que ainda há poucos gestores e líderes que entendem a importância da felicidade dentro de um negócio. Por isso, muitos profissionais acabam pedindo demissão e se tornam empreendedores ou profissionais autônomos na busca de maior liberdade e realização.

No caso do trabalhador, a insatisfação a longo prazo gera impactos negativos tanto na saúde física quanto na saúde mental. A síndrome de burnout, estresse e depressão são doenças cada vez mais comuns na vida dos brasileiros e estão diretamente ligadas à infelicidade no trabalho. Por isso, é importante reconhecer quando há esse problema e procurar alternativas de resolução.

Como mudar de vida?

Por ser algo abstrato, as pessoas acreditam que alcançar a felicidade seja algo muito complexo e trabalhoso. Além disso, depois de escolher uma carreira, muitos profissionais ficam com medo de mudar de vida e fazer uma transição pensando que pode não funcionar. Veja algumas dicas práticas para mudar de vida.

Tenha planos e metas

Um dos grandes erros cometidos pelas pessoas é acreditar que a felicidade estará sempre associada a grandes realizações, como conseguir um emprego novo, mudar de cidade, casar, conseguir uma promoção.

Ao colocar a felicidade como o fim de um processo, o início e o meio sempre parecerão difíceis e dolorosos. Por isso, crie planos e metas, buscando pequenos momentos felizes e realizações com o que há de palpável na sua vida.

Pratique meditação diária

A felicidade é algo abstrato; por isso, é importante nutrir bastante a mente para acreditar que é possível ser feliz. Para termos uma vida mais próspera e, consequentemente, sermos mais felizes no trabalho, precisamos mudar nossa mentalidade com bons pensamentos. A meditação diária é uma excelente prática para pensar no aqui e no agora e se reconectar consigo.

Pense na transição de carreira

Há pessoas que acreditam que mudar de carreira não é para elas. Essa é uma crença limitante que impede o indivíduo de realizar muitas coisas, por acreditar que aquilo não é para si ou que não tem as características necessárias. Assim, o primeiro passo é se libertar dessas crenças e se conhecer profundamente para tomar boas decisões.

De fato, a transição de carreira não é algo que acontece do dia para a noite, mas com planejamento, essa mudança é possível, independentemente de idade ou ramo de atuação.

Invista em trabalhos livres

O relatório organizado pela Workana aponta que o trabalho de freelancer tem aumentado no mundo todo, não só como modo de fazer uma renda extra, mas como opção de trabalho em tempo integral. Além disso, há uma mudança na percepção dos clientes em relação a esses profissionais e nos benefícios que esse modelo traz.

Por isso, tornar-se líder de si é uma opção para aqueles que se sentem infelizes no trabalho e querem mudar de vida. Atualmente, há várias modalidades de ocupações autônomas, e a transformação digital tem ajudado a conectar profissionais e clientes em todas as partes do mundo.

Aprenda a conviver com culturas diferentes

É preciso entender que, ao se libertar de um trabalho infeliz, você não estará livre de todos os problemas. Quando você muda de vida e de emprego, deixa para trás uma série de incômodos, mas seja qual for a nova modalidade, sempre haverá problemas e diferenças que precisam ser superados.

Aprender a conviver com culturas e pessoas diferentes é uma das formas de ser feliz e livre. Nem todo mundo tem as mesmas experiências e opiniões que as nossas, e isso não torna esses indivíduos errados ou menos adequados; eles estão apenas inseridos em situações diversas.

Como alcançar a felicidade?

Ser feliz não é estar sempre alegre e sorridente. A felicidade é um estado de espírito, que tem espaço para momentos tristes e dificuldades. A grande questão é ressignificar o que é importante e ter uma postura positiva quanto à vida e ao trabalho.

Um desses caminhos é o autoconhecimento e o investimento pessoal. Doe seu tempo para as pessoas, converse, faça um bom networking e busque pequenas realizações. Assim, você começará a construir um novo caminho com mais autonomia e poderá investir em uma nova carreira e, finalmente, abandonar a infelicidade no trabalho.

Se você está nesse processo, conheça a Lifelong Workers. A empresa oferece tutorias, vivências práticas e apoio profissional para aqueles que desejam iniciar uma nova carreira ou estão em busca de uma transição. Seja por conta própria ou ainda se recolocando em um novo mercado ou área.

Juntos nas transições. Afinal, serão muitas. Seja Lifelong Worker!

***** ***** ***** ***** ***** ***** *****

A Jornada de partida para se entender com as novas economias e suas infinitas possibilidades está no ar! Saiba mais sobre o Experimente-se como Lifelong Worker e próximas turmas aqui.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

2 Comentários

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.